MUSEU NACIONAL: O PALÁCIO DE UM NOVO MUNDO

Este ano comemoramos os 200 anos do desembarque da Arquiduquesa Leopoldina da Áustria em terras brasileiras. A vinda para o Brasil se deveu ao seu casamento com o Príncipe Pedro I do Brasil. E é no Museu Nacional, local onde o casal residiu, que a Rede Globo de Televisão concentrou  parte de suas gravações para apresentar uma parte dessa história na nova novela das 18h, Novo Mundo. 

 

 Em torno do ano de 1803, o terreno conhecido como Quinta da Boa Vista pertencia a um comerciante de escravos luso-libanês chamado Elias Antônio Lopes, que construiu uma chácara sobre uma colina, onde se tinha uma bela vista, desde a Baía de Guanabara à Floresta da Tijuca. Com a chegada da Família Real Portuguesa, em 1808, Elias decidiu conceder o terreno da Quinta ao Príncipe Regente, Dom João IV.  Quando torna-se residência oficial da Família Real, o edifício que antes de Dom João fora construído em um estilo de requinte Oriental, passa por uma série de transformações para melhor abrigar a realeza neste Novo Mundo. Um exemplo é a reforma da ala sul do prédio, feita especialmente para receber os futuros imperadores do Brasil, Dom Pedro I e Leopoldina. 

 

Papel fundamental para Independência, Leopoldina dá cor ao Brasil e ao Museu. Seu casamento com Pedro I, originou as cores da bandeira nacional. O verde representava a casa de Bragança, de Pedro e o amarelo a de Habsburgo-Lorena, de Leopoldina. É no tempo em que ilustres moradores aqui viviam, que o Palácio foi pintado de amarelo, em homenagem à Imperatriz.

br4e

Bandeira do Império do Brasil

Princesa das artes e das ciências, quando Leopoldina desembarca no Brasil, em 1817, traz consigo muitos artistas e cientistas. Era interessada e uma grande entusiasta da botânica e mineralogia, assim formando coleções e estudando as maravilhosas descobertas e novidades do Novo Mundo. Seu filho, Pedro II, desde pequeno é ensinado a se apaixonar pelas coleções iniciadas por sua mãe e, quando coroado Imperador, forma seu próprio museu pessoal.

Em 1818,  Dom João VI criou o Museu Nacional, cuja sede ficava localizada no Campo de Santana do Rio de Janeiro. Ao final do século XIX, com o advento da República, a instituição recebe um novo lar, o Palácio de São Cristóvão, no qual as famosas coleções dos imperadores puderam ser vistas por alguns privilegiados.

Museu-Nacional

Museu Nacional/UFRJ

A grande dica para o visitante do Museu Nacional interessado e faminto pelo passado desse Palácio é desvendar essas histórias que se relacionam.  Hoje, nossa instituição é discurso que confere sentido ao passado. Contamos para as gerações futuras, histórias sobre um Brasil que se desenhou lá trás, com um imenso acervo de memórias daqueles que as fizeram.

palácio-jardim das princesas

Fachada lateral  do Museu Nacional, antigo Palácio Imperial. Foto tirada do Jardim das Princesas, MN/UFRJ

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s